Genotipagem do HIV

Última modificação: 
08/05/2017 - 16:52

Sistema e Informação para Rede de Genotipagem - SISGENO - Clique aqui

Detectar a resistência genotípica (mutações do HIV) em pacientes em uso de terapia antirretroviral possibilita uma reorientação do tratamento e a seleção de uma terapia de resgate. Considerando essa necessidade, o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais implantou a Rede Nacional de Genotipagem (Renageno) para executar o exame de genotipagem. Por essa rede, é possível estimar, nas diferentes áreas geográficas e subtipos circulantes, a prevalência de mutações e sua associação com o estadiamento clínico, e a exposição prévia aos medicamentos e aos esquemas terapêuticos em uso no momento da coleta.

Em 2015, na busca de novas estratégias para proporcionar maior agilidade à realização dos exames de genotipagem do HIV-1, aliada às dificuldades de aquisição dos reagentes, o DIAHV optou por centralizar a realização do exame de genotipagem em um laboratório. Para tanto, houve a reorganização da RENAGENO e do fluxo do exame de genotipagem do HIV:

Segundo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos (PCDT 2013), a Genotipagem do HIV é indicada nas seguintes situações, com seus respectivos critérios:

1 - PVHA em tratamento:

  • Falha virológica - O critério para a realização do exame é a confirmação da falha virológica em coleta consecutiva de carga viral após intervalo de quatro semanas, com a última carga viral superior a 1.000 cópias/mL, e em uso regular de TARV por pelo menos seis meses;

2 - PVHA que ainda não iniciaram tratamento (genotipagem pré-tratamento):

  • Pessoas que tenham se infectado com parceiro em uso de TARV (atual ou pregresso) - O critério para a realização do exame é a carga viral superior a 1.000 cópias/mL;
  • Gestantes infectadas pelo HIV - O critério para a realização do exame é a carga viral superior a 1.000 cópias/mL;
  • Crianças até 12 anos - O critério para a realização do exame é a carga viral superior a 1.000 cópias/mL. 
  • Pacientes com diagnóstico de coinfecção tuberculose e HIV.

Havendo dúvidas referentes ao novo fluxo do exame de genotipagem, entre em contato via e-mail: clab@aids.gov.br ou telefone: (61) 3315-7605.

Algorítimo brasileiro


 

Formulários
Para impressão

Preenchimento Eletrônico

 

Documentos

Oficios Circulares

Notas Técnicas

Notas Informativas