PEP

Última modificação: 
02/05/2017 - 17:26

O Ministério da Saúde preconiza, desde 2010, o uso de medicamentos antirretrovirais como mais uma forma de prevenção contra o HIV. Chamada de PEP (sigla em inglês para Profilaxia Pós-Exposição), a medida se insere no âmbito da prevenção combinada e consiste na prescrição desses medicamentos em até 72 horas após o contato do paciente com o vírus. O tratamento dura 28 dias e o atendimento é considerado de emergência pelo Ministério da Saúde, conforme prevê o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Antirretroviral Pós-Exposição de Risco à Infecção pelo HIV.

Esse protocolo, diferentemente dos consensos de terapia, tem caráter normativo, devendo ser integralmente observado em todos os casos que envolverem a PEP. O PCDT se divide em quatro seções, correspondentes às etapas da abordagem da pessoa exposta ao risco de infecção pelo HIV:

  • Avaliação do risco de exposição;
  • Esquema antirretroviral para PEP;
  • Outras medidas no atendimento à pessoa exposta;
  • Acompanhamento clínico-laboratorial.

Conheça o PCDT de PEP

Veja o folder com outras informações importantes

Outra modificação em relação às normativas anteriores é que, a partir de 2015, o Ministério da Saúde estabeleceu diretrizes mais abrangentes para a elegibilidade de pacientes à PEP, unificando os esquemas terapêuticos. Assim, não há mais distinção entre PEP sexual, PEP de violência sexual e PEP ocupacional, devendo todos os casos serem atendidos com a mesma urgência.

Protocolos do Ministério da Saúde para HIV e outras IST

Veja abaixo as recomendações de tratamento para os demais casos envolvendo o HIV, bem como as recomendações do Ministério da Saúde para as outras IST.