COMBATE À TUBERCULOSE

MS promove Semana de Mobilização e Luta contra a Tuberculose

Dia Mundial de Combate à doença é celebrado no dia 24 de março como forma de mobilizar a sociedade e orientar sobre sintomas e tratamento

24.03.2021 - 12:30
29.03.2021 - 19:02

Para chamar atenção ao Dia Mundial de Combate à Tuberculose, celebrado nesta quarta-feira (24/3), o Ministério da Saúde prepara diferentes ações para a Semana de Mobilização e Luta contra a doença. Além de promover atividades de sensibilização e engajamento junto aos estados, a pasta, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), divulga hoje uma edição especial do Boletim Epidemiológico Tuberculose 2021, com os dados atualizados sobre a doença no Brasil.

O secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, participa, nesta quarta-feira, de webinar para apresentar a situação epidemiológica do país e discutir os desafios para o enfrentamento da doença. “A tuberculose continua sendo um importante problema de saúde pública no Brasil. Para diminuir os efeitos da pandemia da covid-19, é necessário organizar a oferta de diagnóstico e tratamentos, se atentando aos sintomas, especialmente a tosse. Além disso, é preciso garantir as estratégias de suporte social para que as pessoas tenham possibilidade de finalizar o tratamento”, afirmou.

O webinar faz parte de uma série especial de seminários online com participação de profissionais especialistas na área. A programação ocorre durante esta semana e o acesso é livre ao público.

O Ministério da Saúde também divulga, nesta quarta-feira (24), a campanha institucional de comunicação: “Não fique na dúvida, fique livre da tuberculose”, que destacará a importância do diagnóstico precoce e tratamento da tuberculose, esclarecendo que tosse por três semanas ou mais é um dos sinais importantes da doença. O objetivo é reforçar a disponibilidade do diagnóstico e tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), além de enfatizar a necessidade de seguir com o tratamento até o final para o alcance da cura.

TUBERCULOSE NO BRASIL

O Brasil está entre os 30 países de alta infecção de tuberculose e coinfecção TB-HIV, considerado prioritário para o controle da doença no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Embora tenha sido observada uma tendência de queda constante entre os anos de 2011 e 2016, a incidência de tuberculose no país aumentou entre 2017 e 2019. Em 2020, observou-se uma queda acentuada da incidência em comparação com 2019, reflexo da pandemia da covid-19. Esse índice chama atenção para a importância da manutenção das ações de controle da doença. Foram registrados 66.819 casos novos de tuberculose no país em 2020. Em 2019, antes da pandemia, foram registrados 4.532 óbitos em decorrência da doença. No mundo, segundo a OMS, cerca de 10 milhões de pessoas desenvolveram tuberculose e 1,2 milhão morreram pela doença em 2019.

A edição especial do Boletim Epidemiológico 2021, com as informações sobre o cenário epidemiológico, está disponível aqui.

NOVAS TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO NO SUS

Cinco novas tecnologias para o diagnóstico e tratamento da tuberculose foram incorporadas ao SUS entre 2020 e 2021. Essas ferramentas representam um importante avanço para o cuidado dos pacientes com a doença, acelerando o diagnóstico e ampliando os esquemas terapêuticos. Os processos de aquisição dessas tecnologias estão em andamento. Para o diagnóstico da tuberculose, houve a ampliação do acesso aos testes, de forma padronizada, constituindo uma estratégia importante para o controle da doença. Entre eles, a cultura líquida automatizada, que amplia a qualidade da cultura e acelera o diagnóstico. Além disso, ainda neste mês de março de 2021, foi recomendada a incorporação do teste de fluxo lateral para detecção de lipoarabinomanano em urina (LF-LAM), mais uma alternativa para diagnóstico precoce para pessoas que vivem com HIV/Aids. Também foi incorporado à rede pública de saúde o teste de liberação de interferon-gama (IGRA) para diagnóstico da infecção latente da tuberculose em pessoas vivendo com HIV. A oferta do IGRA é voltada para populações específicas: casos de tuberculose ativa e candidatos a transplante de células-tronco. Em relação ao tratamento, os medicamentos Delamanida e Bedaquilina foram incorporados para atendimento dos casos em que os pacientes apresentam resistência ou intolerância ao tratamento já disponível. Com essa incorporação, o Brasil atualiza os esquemas terapêuticos para tuberculose drogarresistente (TBDR) de acordo com as recomendações vigentes da OMS. Também houve a incorporação da Rifapentina, favorecendo a adesão ao tratamento da infecção latente.

SINAIS E SINTOMAS

A tuberculose é causada por uma bactéria (Mycobacterium Tuberculosis) que afeta com mais frequência os pulmões, mas pode infectar qualquer órgão ou sistema do corpo. A transmissão ocorre pelo ar: a bactéria se espalha por meio de aerossóis liberados durante a fala, tosse e/ou espirro de pessoas com a forma ativa da tuberculose pulmonar ou laríngea, sem tratamento. Os sintomas da tuberculose ativa incluem tosse persistente (por três semanas ou mais), febre baixa, sudorese, geralmente à noite, emagrecimento e cansaço.

Materiais da campanha de Tuberculose 2021 acesse aqui:

Boletim Epidemiológico - aqui

Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis