Ministério da Saúde promove oficina para formação de novos médicos de referência em genotipagem

Iniciativa contou com a participação dos especialistas em falha terapêutica que assessoram o DCCI
11.01.2022 - 16:01
11.01.2022 - 16:02

[node:title]O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral de Vigilância do HIV/aids e das hepatites virais (CGAHV) do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (DCCI) da Secretaria de Vigilância em Saúde, promoveu, em dezembro de 2021, uma oficina para formação de Médicos de Referência em Genotipagem (MGR) do HIV em adultos e crianças. A oficina formou 51 profissionais para realização de laudos. O objetivo do curso é preparar estes médicos para que os mesmos possam trabalhar na indicação do tratamento para pessoas vivendo com HIV/aids, mediante a interpretação do resultado dos exames de genotipagem.

 

A resistência virológica aos medicamentos antirretrovirais é detectada por meio dos exames capazes de identificar as mutações do HIV com base no material genético viral. O teste mais utilizado é a genotipagem do HIV, que identifica as mutações de acordo com as classes dos medicamentos antirretrovirais. No Brasil, os Médicos de Referência em Genotipagem são os profissionais autorizados a fazer a avaliação e interpretação desses exames.

 

Desde 2002, quando o teste de genotipagem começou a ser disponibilizado pelo SUS, iniciou-se a formação de uma Rede Nacional de Médicos de Referência em Genotipagem. “É fundamental realizar o diagnóstico precoce da falha virológica para que se possa instituir, no menor tempo possível, esquemas terapêuticos de resgate efetivo. O objetivo do tratamento é a máxima supressão viral (carga viral indetectável)”, explicou Gerson Pereira, diretor do DCCI.

 

A oficina contou com a participação dos especialistas em falha terapêutica que assessoram o DCCI. Participaram do evento: Mônica Jacques, da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp; Simone Tenore, do Centro de Referência e Tratamento de DST Aids de São Paulo; Érico Arruda, do Hospital São José de Doenças Infecciosas de Fortaleza; Estevão Portela, Fundação Oswaldo Cruz/RJ; além dos especialistas no manejo antirretroviral em crianças e adolescentes; Flávia Almeida, da Sociedade Brasileira de Pediatria; e Solange Dourado, da Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado.

 

Saiba mais em: Manual Técnico para Avaliação de Exames de Genotipagem do HIV.

 

Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis

 
Típo da notícia: Notícias do DCCI