Perguntas frequentes

Mostrando 1 - 10 de 46

Os indicadores e dados quantitativos referentes à aids estão disponíveis no site em Painel de Indicadores Epidemiológicos.

Além disso, periodicamente o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV) publica boletins epidemiológicos, que são apresentados por estados e regiões do país. Disponível aqui o último boletim epidemiológico HIV/Aids. 

Dados relevantes também podem ser encontrados para tabulações diferenciadas por meio do programa TabNet. O TabNet foi elaborado com a finalidade de permitir a realização de tabulações rápidas sobre os arquivos .DBF; o Manual do Tabnet está disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=060804&item=2. As consultas poderão ser realizadas a partir de: ano de diagnóstico; ano de notificação; sexo; faixa etária; raça/cor; município de residência; município de notificação; entre outros. Links de acesso aos dados disponíveis:

Casos de aids 

http://www2.aids.gov.br/final/dados/dados_aids.asp 

Óbitos por aids:

De 1980 a 1995 http://www2.aids.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim95/obtbr.def 

De 1996 a 2012 http://www2.aids.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/obtbr.def 

 

Caso os dados/informações aqui disponíveis não atendam integralmente às suas necessidades de pesquisa, você poderá requerer junto à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) mais informações a partir dos sistemas de informação.

Por ser responsável pela guarda desse tipo de informações, a SVS mantém rotinas para evitar exposição ou utilização dos dados. Assim, a solicitação de acesso a informações é criteriosamente analisada pela Secretaria antes de qualquer liberação ao solicitante. Para atender às solicitações dessa natureza de maneira uniforme, segura e ágil e, seguindo determinação da LAI e considerando a Resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde – que determina que toda pesquisa com seres humanos deve ser submetida à apreciação do Comitê de Ética em Pesquisa –, a SVS estabelece o fluxo que deverá ser seguido por profissionais/acadêmicos interessados em obter dados disponíveis nos Sistemas de Informações dessa Secretaria.

O solicitante deve enviar um ofício ou carta requerendo a liberação de dados ao Gabinete da Secretaria de Vigilância em Saúde, acompanhado do Termo de Responsabilidade e da documentação necessária, para o endereço: Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, Bloco G, sala: 105, CEP: 70.058-900, Brasília/DF. 

Orientações para preenchimento do Termo de Responsabilidade:

1) Indicar o nome do Sistema de Informação da base de dados que está sendo solicitada.

2) Indicar o nome do responsável pela guarda dos dados.

3) Indicar o(s) mês(meses) e ano(s) e Unidade da Federação/Municípios(s) da base de dados que está sendo solicitada.

4) Descrever todas as variáveis que estão sendo solicitadas, informando possíveis detalhamentos ou necessidades. A falta de preenchimento adequado deste item poderá ocasionar a não liberação da base de dados.

5) Descrever da forma mais abrangente possível a finalidade para qual os dados serão utilizados. A falta de preenchimento adequado deste item poderá ocasionar a não liberação da base de dados.

6) Descrever a metodologia que será utilizada no tratamento dos dados.

7) Fornecer informações pessoais do responsável pela guarda dos dados e da Instituição à qual está ligado/trabalha/estuda, além das assinaturas.

O termo de responsabilidade deverá ser remetido à Secretaria de Vigilância em Saúde. E fique atento aos documentos necessários, que também deverão ser encaminhados:

* Documento que comprove que o solicitante é pesquisador/funcionário vinculado à Instituição declarada no Termo de Responsabilidade, ou documento que comprove que o solicitante é aluno vinculado à Instituição declarada no Termo de Responsabilidade;

* Documento de aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa;

* Fotocópia do documento de identidade ou de Conselho de Classe;

* Fotocópia do CPF.

Uma vez realizado o pedido, o departamento responsável pelo Sistema de Informação irá emitir mensagem comunicando o parecer e o tempo previsto para a liberação do acesso ao banco de dados, ou os motivos para o não atendimento da solicitação.

 

Estima-se que cerca de 489 mil pessoas vivendo com HIV/aids estão em uso de tratamento com antirretrovirais atualmente.

Todos os boletins epidemiológicos produzidos pelo DIAHV/SVS/MS estão disponíveis em: Boletim Linha do Tempo e na biblioteca.

 

 

O diagnóstico da hepatite C é realizado por meiodo exame anti-HCV e confirmado por biologia molecular (HCV-RNA quantitativo). Os exames estão disponíveis no SUS. Conforme a Portaria GAB/SVS nº 25/2015, o diagnostico da hepatite C é feito com um teste capaz de detectar a presença do anticorpo contra o HCV (anti-HCV). Em caso de resultado positivo, deve-se realizar um teste capaz de detectar a presença do RNA do HCV na amostra, também conhecido como teste de carga viral do HCV. Caso esse teste também tenha resultado positivo, define-se que existe a infecção pelo HCV.

Até o presente momento, o Ministério da Saúde já distribuiu 15.068 tratamentos desde 02/10/2015. Confira aqui as planilhas de distribuição dos insumos daclatasvir, simeprevir e sofosbuvir na página do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica, do Departamento de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos.

Os dados estatísticos sobre a clamídia não constam dos nossos bancos de dados. Isso se deve ao fato de que a clamídia não faz parte da Lista Nacional de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória, consoante o disposto no Anexo da Portaria nº 1.271/GM/MS, de 6 de junho de 2014.

 

O orçamento autorizado para o atendimento à população com medicamentos para tratamento dos portadores de HIV/aids e outras IST, para o referido período, é:

  • 2010: R$ 784.000.000,00
  • 2011: R$ 846.720.000,00
  • 2012: R$ 823.200.000,00
  • 2013: R$ 770.200.000,00 
  • 2014: R$ 863.937.200,00
  • 2015: R$ 1.101.000.000,00
  • 2016: R$ 1.100.000.000,00

O instrumento utilizado para o controle das dispensações de antirretrovirais (ARV) é o Formulário de Solicitação de Medicamentos e o Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM).

Para uma dispensação de 30 dias, a pessoa retira os medicamentos ARV para um mês de tratamento. Por outro lado, o SICLOM permite, a qualquer momento, realizar outra dispensação dentro do período de 22 dias, contados a partir da última dispensação. No entanto, o sistema emite um alerta, informando que o paciente está vindo antes do período previsto. Nesse caso, o farmacêutico/dispensador irá analisar se procede ou não à dispensação dos ARV.

Cumpre ressaltar que as orientações para controle logístico são repassadas a todos os estados e, estes, por sua vez, as repassam às Unidades de Dispensação de Medicamentos (UDM). Por outro lado, os estados/municípios/UDM possuem autonomia para o gerenciamento local, em consonância com o processo de trabalho interno, a exemplo do fluxo de logística, disponibilidade de estoque, análise clínica/laboratorial do paciente, dentre outros. Nesse sentido, é fundamental verificar junto ao serviço de saúde ao qual a pessoa esteja vinculada quais são os procedimentos internos de dispensação.

 

Como eu posso saber se tenho aids? É o teste que vai dizer se você tem ou não hiv. Ele detecta os anticorpos contra o hiv e é feito em menos de 30 min. Você vai em qualquer posto de saúde ou CTA e eles fazem rapidinho, com sigilo e orientação garantidos.