Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais


A- A+

Exame de sangue detectará linfoma

Conteúdo extra: Galeria de fotos

Pesquisadores descobriram que um simples exame de sangue é capaz de detectar o linfoma, câncer das células do sistema linfático. Se confirmada sua eficácia, o novo procedimento agilizará o diagnóstico da doença, que hoje é feito depois de uma série de testes.

- Há muitos tipos e subtidos de linfoma. Alguns são de fácil detecção, outros são muito difíceis de identificar - explica Antonio Giordano, diretor do Instituto Sbarro de Pesquisa de Câncer e Medicina Molecular, na Universidade de Temple, na Filadélfia. - O novo método é uma arma poderosa para determinar a presença do câncer por meio da análise de duas moléculas no tecido linfóide.

A equipe de Giordano descobriu que a mudança na concentração do gene CDK9 e de sua molécula-anexa Cyclitin T1, nas células linfóides do sangue, tem uma correlação com a atividade do câncer. Quanto mais significativa a expressão alta do gene e da molécula anexa, mais provável será a presença do câncer.

O estudo ''Expressão de CDK9/Cyclin T1 numa diferenciação normal linfóide em transformações malignas'' (em tradução livre) foi publicado no Journal of Pathology.

Até agora, não existia nenhum teste único que diagnosticasse este tipo de câncer. A prática clínica detecta a doença por meio de mudanças no nó de linfa (tecido que impede entrada de corpos estranhos no sangue). Mas também é necessário fazer outros testes, entre eles exames de sangue, raio-X, tomografia computadorizada, ressonância magnética e uma biópsia de médula óssea.

Giordano esclarece que uma análise imunohistoquímica do sangue (análise que marca moléculas para rastreá-las), a fim de detectar o gene e o Cyclin T1, indica os dois tipos de linfoma (Hodgkins ou non-Hodgkins) e seus subtipos. Também a partir destas taxas pode-se conhecer o estágio de desenvolvimento do câncer.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), anualmente são diagnosticados 350 mil casos de linfoma. A organização ainda informa que, em 2002, mais de 3.200 pessoas morreram no Brasil, em decorrência da doença.

Como outros cânceres, as chances de cura do linfoma aumentam com a rapidez de sua detecção. Os principais tratamentos são as quimio e radioterapias.

Quarta-feira é o Dia Mundial da Conscientização sobre o Linfoma. E a Abrale promoverá no Rio de Janeiro, um encontro com médicos no Parque dos Patins da Lagoa Rodrigo de Freitas, a partir das 7h. Curitiba, Campinas, Salvador e outras cidades do Brasil, Argentina, Estados Unidos e Espanha também têm eventos programados.

Tags: