Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

Portal sobre aids, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais


A- A+

Aspirina previne câncer de mama

Conteúdo extra: Galeria de fotos

NOVA YORK - Um século depois de sua descoberta, cientistas continuam encontrando benefícios da aspirina. A prevenção do câncer de mama é a mais recente descoberta, feita por pesquisadores da Universidade de Columbia, em estudo publicado no Journal of the American Medical Association .

A pesquisa indica que mulheres que tomam regularmente aspirina têm menos chance de contrair câncer no seio do que aquelas que nunca tomam.

Mesmo aquelas que utilizam o medicamento uma vez por semana já se beneficiam da aspirina. O nível de proteção aumenta com as doses, de forma que mulheres que tomam de sete a oito aspirinas por semana têm 28% menos de chance de contrair a doença.

Mas os cientistas avisam: ainda é cedo para prescrever aspirina para prevenção do câncer. Não se sabem os efeitos da administração a longo prazo da droga nem a melhor dose para a prevenção.

Ainda assim, o câncer de mama entra na lista de mais uma das doenças combatidas com a aspirina, como doenças do coração, câncer de cólon e câncer de próstata, Mal de Alzheimer e artrite, entre outras.

O medicamento deriva de acido salicílico, uma das mais antigas drogas de tratamento para a dor, obtida de folhas e da casca do salgueiro. Ainda na Grécia Antiga, no século V a.C., Hipócrates, filósofo considerado o pai da medicina moderna, prescrevia preparações que incluíam cascas e folhas do salgueiro para o tratamento de febres e para aliviar as dores do parto.

Mas o ácido salicílico é amargo e causa irritações no estômago, provocando vômito e sangramento. Foi o químico alemão Felix Hoffman que, a partir de composto elaborado por outro químico, conseguiu formular o ácido acetilsalicílico, que é menos agressivo.

Tags: