Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais

Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais

Portal sobre aids, infecções sexualmente transmissíveis e hepatites virais


A- A+

Sistemas de Vigilância

Um sistema de vigilância epidemiológica precisa responder à complexidade dos agravos que busca conhecer, desenvolvendo novos modelos, que não sejam baseados exclusivamente na notificação de casos e que podem estar representando eventos ocorridos anos antes. Para tanto, é necessário conhecer oportunamente as populações vulneráveis, comportamento, riscos, entre outros fatores, de forma a subsidiar intervenções mais efetivas. O fluxograma abaixo apresenta as várias fontes de informação utilizadas pela vigilância da aids e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST) no Brasil.


Fonte: adaptado do Curso Básico de Vigilância Epidemiológica em HIV e Aids.

A vigilância epidemiológica da aids, além de se basear em informações fornecidas pela notificação de casos registradas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e registros de óbitos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), possui dois sistemas particulares: Sistema de Controle de Exames Laboratoriais (SISCEL) e Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM).

As informações do SINAN, no caso particular da aids, são provenientes das notificações de casos confirmados pela definição de casos de aids adotada no país. O sistema contém informações epidemiológicas relevantes, que têm sido utilizadas para caracterizar a dinâmica da epidemia, assim como para subsidiar as ações de prevenção e controle da doença.

O SIM tem o objetivo principal de fornecer subsídios para traçar o perfil de mortalidade no país. Contém informações sobre o óbito, como a causa básica, data, local e município de ocorrência, assim como informações sobre o indivíduo que faleceu, tais como a idade, sexo, grau de escolaridade, ocupação e município de residência.

O SISCEL foi desenvolvido com o objetivo de monitorar os procedimentos laboratoriais de contagem de linfócitos T CD4/CD8 e quantificação da carga viral do HIV, para avaliação de indicação de tratamento e monitoramento de pacientes em terapia antirretroviral.

O SICLOM foi desenvolvido com o objetivo de gerenciamento logístico dos medicamentos antirretrovirais. As informações são utilizadas para controle dos estoques e da distribuição dos antirretrovirais, assim como para obtenção de informações clínico-laboratoriais dos pacientes de aids e uso de diferentes esquemas terapêuticos.

A análise dos dados de aids é elaborada a partir dos casos notificados no SINAN, acrescidos dos dados registrados no Sistema de Informação de Exames Laboratoriais (SISCEL) e Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e fundamentada na técnica de relacionamento probabilístico. O Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM) foi utilizado para validação das informações contidas no SISCEL, quando do relacionamento deste com o SIM. A base de dados resultante do relacionamento do SISCEL com o SIM é, posteriormente, relacionada com o SINAN para compor o banco relacionado, de acordo com o algoritmo de relacionamento de banco de dados, realizado pelo Departamento de DST e Aids e abaixo apresentado:

 

* Registros eleitos para inclusão de relacionamento de banco de dados: 1) Adulto: contagem de linfócitos TCD4+ menor que 350 células/mm3 e carga viral detectável - Criança: contagem de linfócitos TCD4+ menor do que a esperada para a idade atual e duas cargas virais maiores que 10.000 cópias; ou 2) Adulto: contagem de linfócitos TCD4+ menor que 350 células/mm3 e uso de medicamento registrado no SICLOM - Criança: contagem de linfócitos TCD4+ menor do que a esperada para a idade atual e uso de medicamento registrado no SICLOM

Share:

Twitter Facebook