Imprima o conteúdo

A CAMINHO DAS OCAS: AÇÕES DE PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA AS DST/AIDS À POPULAÇÃO INDÍGENA DA CIDADE DE SÃO PAULO

 

Autor: VELTRI, Marcos; FERREIRA, Elza Maria; CISOTTO, Carla

Instituição: Programa Municipal de DST/aids; Prefeitura do Município de São Paulo, Secretaria Municipal de Saúde, Programa Municipal de DST/aids; Prefeitura do Município de São Paulo, Secretaria Municipal de Saúde, Área Técnica de Saúde da População Indígena

UF: SP

Email: mveltri@prefeitura.sp.gov.br

Categoria: Prevenção com populações indígenas

 

Resumo

 

Introdução:Na II Conferência Municipal DST/aids da cidade de São

Paulo - 2005, foi   deliberada a implementação das ações de

prevenção e assistência as DST/aids a segmentos específicos,

dentre os quais a indígena.

 

Objetivos:Construir com lideranças indígenas, FUNASA/MS e

representantes dos setores da Secretaria Municipal de Saúde -

SMS/SP: Área Técnica de Saúde da População Indígena, UBS e CTA,

a proposta de prevenção e assistência as DST/aids e redução de

danos.

 

Método:O Programa Municipal de DST/aids iniciou um diagnóstico

situacional para conhecer as condições da atenção à saúde nas três

aldeias do município. Iniciamos a ação pela aldeia Jaraguá, zona

norte, tendo em vista a proximidade com o CTA local (Pirituba). O

primeiro cuidado foi conhecer as práticas produzidas pelos índios em

relação aos cuidados de saúde e também apreender os códigos que

possibilitam o estabelecimento das relações de confiança entre o

povo guarani e nós.

 

Resultados:Em reunião realizada na aldeia Jaraguá com a presença

da Cacique, representantes da SMS/SP e outros índios pode-se,

primeiramente, observar um número expressivo de crianças, as

quais correspondem a 50% da população; aprendemos que para os

guaranis não existe adolescência, pois a partir do momento em que

se adquire a capacidade reprodutiva e tem-se o início da vida sexual

a criança passa a pertencer ao mundo adulto. Por fim, pudemos

constatar a preocupação e o interesse quanto à "Prevenção e

assistência as DST/aids", sendo por eles sugerido a produção de um

vídeo em guarani sobre o tema, bem como o envolvimento dos

professores indígenas do ensino fundamental nas ações de

prevenção.

 

Conclusão:Construir um projeto de prevenção as DST/aids e a

saúde sexual e reprodutiva das populações indígenas aldeadas exige

primeiramente considerar a necessidade de articular o setor saúde,

respeitar os conhecimentos historicamente produzidos pelos índios

e a capacidade de escolha e decisão destes povos.